Jovem Aprendiz

26/05/2019

O programa jovem aprendiz é um projeto do governo federal criado a partir da Lei da Aprendizagem (Lei 10.097/2000), que determina que empresas de médio e grande porte contratem jovens com idade entre 14 e 24 anos como aprendizes. O contrato de trabalho pode durar até dois anos e, durante esse período, o jovem recebe aprendizado teórico (em sala de aula) e prático (dentro da empresa contratante).

É bastante comum que quem está começando a carreira como carreira como jovem aprendiz queira fazer o melhor para se destacar e, de fato, aprender o máximo possível. Um bom começo para isso é entender o que a empresa espera desse profissional. Segundo Erleni Andrade, coordenadora do Programa Aprendizagem do Senac São Paulo, quando uma empresa contrata um jovem e o matricula em um programa, ela espera que ele tenha, acima de tudo, comprometimento e proatividade para aprender e enfrentar os desafios do ambiente profissional.

“É preciso desenvolver habilidades e competências que permitam ter boa leitura e escrita, visão crítica, assertividade, comunicação, equilíbrio emocional e autoconhecimento”, diz ela. Outro fator apreciado pelas empresas é a visão de futuro atrelada ao plano de crescimento profissional e educacional. “Isso é importante porque muitas vezes a empresa quer que o jovem aprendiz permaneça lá ao final do programa”, explica.

O que faz um Jovem Aprendiz?

O que faz um Jovem Aprendiz?
O que faz um Jovem Aprendiz?

O programa jovem aprendiz é um projeto do governo federal criado a partir da Lei da Aprendizagem (Lei 10.097/00) com o objetivo de que as empresas desenvolvam programas de aprendizagem que visam a capacitação profissional de adolescentes e jovens em todo o país.

O programa é composto por curso de aprendizagem gratuito com duração de até dois anos. Durante este período o aprendiz receberá ensinamentos teórico (sala de aula) e prático (dentro da empresa contratante).

O jovem aprendiz recebe capacitação para aprimorar habilidades na área que atuará na empresa. Dessa forma, ele tem a chance de vivencia o dia-dia dentro da empresa e, ao mesmo tempo, aprender uma profissão.

Você entender o que é jovem aprendiz separei esta matéria em tópico para ajudar no seu entendimento.

Quais são os benefícios do jovem aprendiz

O jovem aprendiz tem direito a Carteira de Trabalho assinada, eecolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), férias equivalente ao período trabalhado e 13º salário. Algumas empresas também oferecem vale refeição e transporte, assistência médica, entre outros benefícios. Cadastre seu currículo no https://meuemprego.site/ e aproveite inúmeras oportunidades de emprego.

Quanto ganha um Jovem Aprendiz?

Quanto ganha um Jovem Aprendiz?
Quanto ganha um Jovem Aprendiz?

Quanto ganha um jovem aprendiz

O salário de um jovem aprendiz é calculado de acordo com as horas trabalhadas, por isso se diz que o aprendiz recebe salário mínimo-hora. Em 2017, o valor do salário mínimo é de R$ 937. Assim, o valor base diário do salário corresponde a R$ 31,23 (trinta e um reais e vinte três centavos) e o valor hora do salário mínimo é de R$ 4,26 (quatro reais e vinte seis centavos). Para calcular o salário de um jovem aprendiz é preciso considerar o total de horas trabalhadas, incluindo as aulas teóricas e também o repouso semanal remunerado e feriados.
De forma geral, a fórmula para esse cálculo é a seguinte:
Salário Mensal do Jovem Aprendiz = Salário-hora (2017 é de R$ 4,26) x horas trabalhadas durante a semana x semanas do mês x 7

Como se tornar um Jovem Aprendiz?

Como se tornar um Jovem Aprendiz?
Como se tornar um Jovem Aprendiz?

Dicas para o jovem aprendiz

  • Seja organizado com as tarefas propostas no dia a dia;
  • Não tenha medo de questionar o que não entendeu. É muito importante ter certeza de que você está seguindo as orientações corretas;
  • É indispensável ser criativo propondo novas maneiras de realizar as tarefas. “Não é porque você é novo na instituição que sua opinião não será avaliada”, alerta;
  • Gerencie o seu tempo para conseguir se desenvolver nos estudos e também na empresa em que está atuando;
  • Procure se comunicar de forma clara e assertiva, estabelecendo empatia com as pessoas com as quais se relaciona;
  • Esteja sempre “aberto” para ouvir e aceitar críticas que proporcionem desenvolvimento e aprendizado;
  • Seja respeitoso, cordial, otimista e simpático. Essas características são fundamentais para valorizar a marca pessoal do jovem aprendiz;
  • Cuide e preserve os espaços de uso coletivo;
  • Procure identificar suas potencialidades, crie uma relação de aceitação e respeito consigo mesmo. “É dessa forma que o relacionamento com o outro se torna mais tranquilo”, afirma Erleni;
  • Demonstre sempre interesse e curiosidade pelo desenvolvimento das suas atividades;
  • Seja sempre discreto na hora de fazer comentários e procure não invadir o espaço dos outros;
  • Fique atento ao seu comportamento. “Percebemos que uma das maiores dificuldades em manter o jovem em uma organização é atribuída ao comportamento inadequado”, diz Erleni. Muitas vezes, segundo ela, o jovem aprendiz apresenta uma capacidade intelectual acima do esperado, mas tem uma lacuna entre seu desenvolvimento interpessoal e seu equilíbrio emocional.

Quem pode ser jovem aprendiz

Para participar do programa é preciso ter entre 14 e 24 anos e estar matriculado ou já ter concluído o Ensino Médio. Estudantes de escolas públicas podem ter preferência na seleção e a frequência e o desempenho escolar também podem ser diferenciais no processo de recrutamento.

Como é o mercado de trabalho para um Jovem Aprendiz?

Como é o mercado de trabalho para um Jovem Aprendiz?
Como é o mercado de trabalho para um Jovem Aprendiz?

Conquistar um lugar no mercado de trabalho não é tarefa fácil, ainda mais quando se trata de jovens e adolescentes que nunca trabalharam e que, portanto, não tem experiência. Oferecer essa oportunidade de formação profissional remunerada, sobretudo para quem se encontra em situação de vulnerabilidade social é um dos pilares da Lei de Aprendizagem (Lei 10.097/2000). A “lei do jovem aprendiz“.

Por meio dela, empresas de médio e grande porte precisam ter em seu quadro de funcionários (em áreas que exijam cursos profissionalizantes) uma porcentagem entre 5% e 15% de jovem aprendiz. O descumprimento da lei acarreta multa às organizações. Em contrapartida, ao contratar este profissional, entre outros benefícios, a empresa tem redução de 75% da contribuição normal do FGTS desse colaborador para apenas 2%.

Mas afinal, como é o trabalho do jovem aprendiz? Danielle Cristina Santos, coordenadora da Educação Profissional do Espro (Ensino Social Profissionalizante), entidade que oferece cursos gratuitos e encaminha jovens ao mercado de trabalho, explica que o dia a dia deles é preenchido com conteúdo prático e teórico, aliando trabalho e estudo. “É uma rotina que tem que conciliar 60% de atividades práticas com 40% de conteúdo teórico na área que ele escolher”, afirma.

Múltiplas áreas para o jovem aprendiz

No Espro existem cursos de aprendizagem em segmentos como gastronomia, qualidade, área administrativa, alimentícia, bancária, atendimento, varejo, entre outros, com duração entre 11 e 24 meses. “Empresas parceiras contratam o aprendiz pelo período que dura seu curso profissionalizante”, explica Danielle.

Outro quesito para ser o jovem aprendiz é ter entre 14 e 24 anos incompletos e que esteja cursando o ensino fundamental ou médio. “Normalmente eles estão em seu primeiro emprego e precisam ser supervisionados o tempo todo. Um aprendiz, por exemplo, não pode ser cobrado por metas e resultados ou fazer hora-extra que comprometa o horário destinado às atividades teóricas”, comenta.

“Aqui no Espro organizamos, em média, seis encontros teóricos por mês que contabilizam carga horária para a jornada de trabalho na empresa contratante. Um aprendiz dispõe entre 4 e 6 horas de trabalho diário (durante a semana), por um período de até 24 meses”, conta. Após esse período de aprendizado remunerado, o jovem pode ser contratado ou não pela empresa para fazer parte do seu quadro efetivo de colaboradores.

Qual caminho seguir?

A coordenadora do Espro explica que muitos jovens chegam à entidade sem saber em qual área querem trabalhar e estudar. Nesses casos, diz ela, um acompanhamento profissional é importante para dar direcionamento, descobrir habilidades e aprimorar a comunicação. “Muito comum o jovem imaturo ser tímido e apegado a gírias, por isso, cursos de formação para o mundo do trabalho são fundamentais para que eles aprendam a se portar em uma entrevista e também no ambiente profissional”, analisa.

Ver todas as vagas